Estivemos participando do evento anual da Scott Consultoria em Ribeirão Preto – SP, Encontro dos encontros da pecuária leiteira, nele foram debatidos vários temas, dentre eles liderança, técnica, manejo, mercados, gestão e estratégias para o setor.

A tônica do evento foi uma, não há o melhor sistema de produção e sim o sistema que melhor se ajusta à propriedade, mas claro que ele deverá ser extremamente eficiente nos seus processos de gestão e produção.

Muitas propriedades que estão no sistema a base de pasto, mas sem eficiência, seja na produção de alimento, na produtividade do rebanho ou ainda em ambas, acreditam que o confinamento é a sua saída estão cometendo um grave erro, antes de creditar os insucessos ao sistema é preciso rever a metodologia de trabalho e os processos da porteira para dentro, pois tudo é uma evolução onde o confinamento só vem depois que a propriedade esgotou sua capacidade máxima de produtividades, caso esta regra é quebrada a chance de ocorrer problemas será muito maior porque quanto mais intensiva for a exploração maiores serão os desafios técnicos na condução da atividade.

O tema da palestra foi “Altas produtividades em pastagens, quebrando paradigmas”. Na apresentação que fizemos no evento mostramos o trabalho deste grupo de produtores que juntamente com outros colegas os assessoramos em suas propriedades, eles estão provando que é possível sim quebrar paradigmas, sendo o maior deles o de que “vacas terminam com a terra”, muito pelo contrário, áreas de soja plantadas após pastagens de inverno bem adubadas e manejadas estão produzindo muito mais comparadas com soja após trigo .

É possível sim ser eficiente e buscar altas produtividades num sistema à base de pasto. O SIPS – Sistema Intensivo de Produção com Suplementação idealizado pelo Dr. Wagner Beskow é simples e prático de ser implantado, basta o produtor querer e aplicar aquilo que for combinado com seu assistente técnico.

Espécies forrageiras melhoradas, manejo diferenciado e adubação equilibrada é a base do sistema, nada que não possa ser realizado com um bom acompanhamento técnico. Animais para aumentar no mínimo 30% de leite todos possuem, pois genética de qualidade é realidade em qualquer propriedade e só não é explorada ao máximo por erros de manejo, principalmente aqueles que comprometem o fechamento da dieta alimentar necessária para expressar seu potencial máximo.

Após o ciclo de palestras ocorreu uma seção de questionamentos e uma das perguntas foi: Este sistema se aplica a outras regiões do País? Qualquer sistema poderá ser aplicado com sucesso ou insucesso, a diferença quem faz é o produtor, deve-se seguir os conceitos e ajustar isto em cada propriedade, não existe fórmula de bolo, quem presta assistência técnica deve saber fazer uma radiografia dos gargalos e entraves da propriedade, além de motivar o produtor a começar eliminar um de cada vez, nada de querer resolver todos de imediato, pois se fizer isto geralmente o projeto não sai da etapa inicial.