Todo profissional idealiza um projeto para cada propriedade atendida, levando em considerações muitas variáveis presentes, sejam elas relacionadas às pessoas ou aos ativos nela contidos, agora só irá dar certo se o produtor também tem este projeto como meta, por isto é necessário sempre, construir o mesmo em conjunto, família e técnico.

Muitos projetos são abortados no meio do processo, pois são engessados e querem ser aplicados como receitas de bolo, não levando em considerações o meio ao qual este projeto está inserido. O SIPS desenvolvido pelo Dr. Wagner Beskow e aplicado nesta propriedade leva em consideração variáveis que vão além da parte técnica do projeto para serem implementadas, as pessoas envolvidas são parte fundamental do processo e por isso devem receber uma atenção especial.  O resultado alcançado na propriedade do Odirlei teve inúmeras variáveis que contribuíram, mas sem dúvida alguma, o fator PESSOAS, foi o principal, pois os motivos para dar errado eram muito superiores e mesmo assim concretizou-se da melhor forma possível e num curto período de trabalho.

Para um projeto virar realidade e tornar-se um CASE de sucesso é básico levar em consideração as pessoas que estão envolvidas no projeto, desde quem idealizou o mesmo até quem irá fazer a parte operacional, sendo sempre a melhor forma o diálogo com TODOS, pai, mãe, filho, empregados, etc.

Neste Interleite Sul 2019, o produtor Odirlei Bombana de Três Palmeiras – RS, foi um dos palestrantes, apresentou o CASE de sua propriedade, numa forma inovadora de apresentação, inserida dentro da palestra do Dr. Wagner Beskow com o tema “Desafios e oportunidades para o produtor de leite familiar”, um modelo de palestra que aliou conhecimento científico com a aplicabilidade na propriedade.

Tive a oportunidade de acompanhar todo este processo, juntamente com o colega Altair Witter da Cotrisal, onde chegamos na propriedade e encontramos uma situação muito complicada, principalmente por:

- Animais com genética, mas não sendo produtivos;

- Solo exaurido por anos de manejo errado e com baixa produtividade;

- Endividamento da propriedade;

- Baixa qualidade de alimentos estocados como silagem;

- Baixa conversão de leite por kg de ração utilizada, mesmo sendo de alta proteína, 22% PB;

- Desanimo e baixa autoestima das pessoas envolvidas.

Com um bom planejamento realizado a partir de um treinamento que fizemos no município em parceria com a Cotrisal, na época atuava como funcionário, o proprietário seguiu tudo o que foi planejado e pôs em prática, sem ouvir a pessoas pessimistas que tentaram desacreditar o seu projeto.

Aos poucos a realidade foi sendo mudada, passo a passo conforme planejado, iniciando pela produção de pastagens de forma totalmente diferenciada como estava sendo produzida, pois passou a usar:

- Semente de qualidade e melhorada;

- Adubação condizente a produção de matéria seca esperada;

- Manejo correto com os animais e roçadas.

Com a base muito mais sólida a partir das pastagens então a segunda fase foi realizada com fechamento de dietas balanceadas, onde o fator principal foi a redução da proteína no concentrado (ração) de 22% chegou a 12%PB e aumento na relação kg de ração por litro de leite produzido.

A produção de silagem foi outro fator que passou por mudanças, enquanto que no passado era necessário produzir safra e safrinha, passou-se a realizar apenas um plantio na safra. A qualidade e quantidade da silagem produzida também teve um acréscimo muito significativo.

O resultado não poderia ser diferente, um aumento de 4.200 litros para 11.070 litros por há, com projeção para 16.200 litros/há par 2019.

A qualidade do leite entregue foi outro fator que melhorou consideravelmente, pois a média hoje é de 280.000 cél/mL e CTB de 25.000 UFC/mL, estando dentro dos padrões exigidos pela normativa.


Fonte: www.meutambo.com.br