Foi realizado em Frederico Westphalen uma tarde de campo com mais de 130 participantes, produtores de leite do município, tendo vários temas abordados durante o evento. Com organização e coordenação da EMATER local o evento superou todas as expectativas. O local do evento foi na Linha Milani na propriedade da Família Londero.

Estações e assuntos abordados:

- Planejamento e manejo de pastagens para altos rendimentos foi o tema abordado pelos os engenheiros agrônomos da Emater, Jeferson Figueiredo e Mateus Stefanello. Muitos fatores são determinantes para produzir uma pastagem que consiga aliar quantidade com qualidade, dentre os mais importantes abordados pelos profissionais foram:

              - Planejamento forrageiro baseado na quantidade de animais da propriedade;

              - Definição do tipo de pasto a ser utilizado, perene e anual;

              - Adubação para altos rendimentos, de base e nitrogenada;

              - Altura de entrada e saída dos piquetes;

              - Roçadas como fator de renovação e aumento do ciclo produtivo;

-  Manejo de solo foi o assunto apresentado pelo engenheiro agrônomo Leandro Oliveira e o zootecnista Sandro Paixão da URI. O grande salto que ainda existe para ser dado em termos de aumento da produtividade está relacionado ao manejo correto do solo, seja via calagem, adubação e cobertura com matéria orgânica que possibilita uma melhora na estrutura físico química do mesmo.

A forma correta de realizar a amostragem para análise de solo foi apresentada na prática pelos profissionais da URI Campus de Frederico.

- Trigo para pastejo foi uma das estações apresentadas durante o evento e nesta estiveram dois profissionais da área, o engenheiro agrônomo da Embrapa Trigo Renato Fontaneli e Jorge Felipe R. Stachoviack da Biotrigo.

Os palestrantes apresentaram as vantagens de se utilizar trigo para pastejo, principalmente para os primeiros plantios a serem realizados após a colheita da soja. Jorge da Biotrigo falou o seguinte “O Lenox é uma nova opção que está disponível para aquele produtor que quer otimizar seus processos produtivos, pois ele entrega alta produtividade com excelente qualidade em momento que outros materiais não conseguem ofertar. O Lenox não é duplo propósito, ele é apenas forrageiro, portanto a sua vocação é produzir folhas do início até o final do ciclo. A recomendação da Biotrigo é iniciar os plantios em 10 de março e no próximo ano a semente vai estar disponível nas revendas em fevereiro. ”

- Qualidade do leite hoje é tema fundamental e não poderia ficar de fora do evento, pois com as novas normativas entrando em vigor é preciso levar conhecimento que consiga auxiliar os produtores a adequarem-se dentro das exigências do MAPA. O Assunto foi abordado pelo médico veterinários Thiago Cantarelli, e pelo tecnólogo em agropecuária Jean Manfio.

- Azevéns e Milhetos da ATTO – Adriana Sementes foram apresentados aos participantes pelo engenheiro agrônomo Marcio Soares Lopes. Hoje existe no mercado materiais que conseguem entregar melhor resultado ao produtor, mas para isto é preciso investir em sementes que tenham este potencial genético e a ATTO – Adriana Sementes possui estes materiais, afirmou Marcio.

Na linha dos milhetos o ADRf 6010 – Valente é um híbrido que entrega quantidade com qualidade e com ciclo longo. Produtores que utilizam este material conseguem reduzir muito o custo de produção, sendo um dos motivos a redução no teor de proteína do concentrado. O ADR 500 – Super Massa é outro milheto que possui um teto produtivo muito bom e também oferta muita forragem por área produzido.

No segmento de pastagens de inverno a ATTO possui dois azevéns e um trevo. Azevém Níbio é um material diploide que possui uma característica própria que aguenta mais o calor, por este motivo pode ser plantado mais cedo e o Ceronte é um tetraploide que vem conquistando seu espaço por apresentar características próprias como sanidade, produtividade, qualidade e ciclo alongado. O Trevo Alexandrino Tigri é outra novidade que chega para ser uma ótima opção em termos de forrageira para o inverno. Produtores estão utilizando o mesmo em sobressemeadura em áreas de tifton, obtendo um material com alta proteína e baixo FDN o que lhe confere uma excelente qualidade em um período em que a área poderá ficar ociosa no inverno.


Fonte: www.meutambo.com.br