A KWS Sementes realizou no dia 17 de dezembro um evento com participação de dirigentes, pesquisadores e colaboradores da KWS, além de consultores de empresas parceiras, um evento para troca de experiências e avaliação de materiais nas áreas experimentais da mesma.

A melhorista Vania Portes Kulka apresentou o projeto de melhoramento da KWS, tendo dados integrado com mais de 70 países como Alemanha, EUA, China, Argentina, etc. As estações de pesquisas sediadas no Brasil também estão servindo de base para pesquisa de materiais para outros países, principalmente China e países da África.

Segundo Vania a cultura do milho deu um salto em produtividade a partir da introdução de biotecnologia na cultura e os principais fatores que interferiram neste processo foram:

- Desenvolvimento de genética superior;

- introdução de novas tecnologias como o controle de insetos por meio da tecnologia Bt;

- Máquinas e equipamentos de maior qualidade e precisão, aliado a uma mão-de-obra qualificada;

- Crescente uso da agricultura de precisão;

- Adoção de praticas culturais e novas tecnologias, tais como:

  • Tratamento industrial de sementes;
  • Aumento da população de plantas
  • Níveis equilibrados de nutrientes

O setor de pesquisa da KWS possui diretrizes de melhoramento específicas, uma com foco no milho grão e outro na silagem, esta coordenada por um dos maiores especialistas no assunto, Dimas Antonio Del Bosco Cardoso.

Segundo Dimas a KWS busca o melhor produto possível para atender produtividade aliada com qualidade. “A cada 1% de melhoramento no FDN conseguimos aumentar 0,2 litros de leite por vaca/dia, considerando animais em sistemas de confinamento onde a base da dieta é a silagem. Além de melhorar o FDN também buscamos um mínimo de 35% de amido, 30 toneladas por há de MS e uma conversão de no mínimo 1,6 litro por kg de MS. Estamos no caminho certo, pois os dados de ensaios da safra 18/19 no Tambo experimental da CCGL apontou o KWS K 9555 como o primeiro colocado dentre 35 concorrentes, produziu 49.964 litros/leite/ha, além deste ensaio a KWS também venceu desafios em outros estados competindo com materiais tradicionais no mercado”.

Além dos materiais que já estão sendo comercializados a KWS possui muitos outros híbridos prontos para serem lançados no mercado, todos com características específicas, com alto teto produtivo e estabilidade de produção mesmo em situações adversas de clima. Outra preocupação da KWS é posicionar o híbrido correto em função do nível tenológico a ser empregado, atendendo a todo segmento de propriedades.

Todos participantes puderam fazer avaliações dos materiais da KWS e também de outros de empresas concorrentes, objetivando uma avaliação mais transparente possível com olho de pessoas que estão o dia a dia no campo, pois é entendimento da direção e dos pesquisadores que o melhor material é aquele que além de atender as necessidades básicas de tetos produtivos com qualidade, também atenda as expectativas do cliente que é o principal ator neste processo todo de melhoramento.


Fonte: www.meutambo.com.br