Participando hoje no 4º Fórum Itinerante do Leite – Mitos e Verdades em Palmeira das missões podemos perceber que o setor tem tudo para continuar melhorando seus processos. Encontrar num só evento 2.200 pessoas ligadas ao setor é porque se vê muito entusiasmo na atividade.

Quem estava presente pode desfrutar de ótimas palestras, muito focadas no dia a dia das propriedades e com visão de futuro.

Independente do que venha a ocorrer pela frente em termos de economia neste país o recado dado foi objetivo e claro, temos que ser eficientes na produção e produtividade, sem esquecer da qualidade, caso contrário poderemos estar fora do processo.

Pela parte da tarde tivemos várias oficinas e numa destas tive a oportunidade falar alguma coisa sobre Sucessão Familial na Atividade Leiteira juntamente com Tanice Andreatta (UFSM), Adriano Lago (UFSM), Rosani Marisa Spanevello (UFSM) e Sulcinéia Haas Wommer (EMATER) e um grande público formado por produtores, acadêmicos e pessoas ligadas a assistência técnica.

Todos foram enfáticos em afirmar que o processo de sucessão passa exclusivamente pelas pessoas, dependendo da forma como é conduzida a atividade há a possibilidade de permanência do filho na atividade ou não, pois se os pais estão contentes com a atividade e falam bem dela os filhos vão querer permanecer e seguir na atividade, mas para isto concretizar-se é preciso que haja rentabilidade no processo, pois é este que vai determinar a sucessão no negócio.

 

 

 

 

 


Fonte: Meu Tambo